contato@conectadoscomdeus.net     

Blog

Cultivando a paciência

Categoria: Motivação

Você se considera alguém paciente? Veja aqui algumas dicas para que você a cultive.

Quando vocês ficarem irados, não pequem; ao deitar-se reflitam nisso, e aquietem-se” (Salmos 4:4).

Paciência... Um olhar, uma palavra, uma ação, a mera presença de uma pessoa, uma simples lembrança. Não é necessário muita coisa para que a tão frágil paciência se esvaia e nós nos vejamos fazendo coisas que não queremos, que não deveríamos.

Na Bíblia, a paciência é descrita como um dos frutos do Espírito. Na sociedade, paciência é sinônimo de sabedoria. Na vida, paciência e tranquilidade andam juntas. A paciência nos salva de grandes problemas, abranda até mesmo os corações mais duros e até salva vidas, amizades, relacionamentos, empregos... A paciência é cobiçada por muitos. Poucos são, no entanto, os que a possuem. 

Como pois adquirir esta tão necessária qualidade? Aí está o segredo. Por mais que pareça paradoxal, para ter paciência é necessário paciência. Não entendeu? Vamos explorar esta sentença então.

 

1. Paciência + paciência

Vivemos na sociedade do agora. Precisamos de algo e precisamos para ontem. Não temos mais paciência para esperar o tempo certo. Nos desacostumamos a abrir mão dos prazeres momentâneos para conquistar resultados futuros mais duradouros. A paciência (calma em momentos de tensão) não é algo que se consegue sem esforço e paciência (supressão de prazeres momentâneos em troca de recompensas duradouras futuras). Você não conseguirá se manter calmo quando alguém te ofende, se você não aprender a raciocinar em momentos de tensão. Agora deu para compreender a frase: para ter paciência é necessário paciência?

 2. Passo a passo

Vamos voltar agora ao nosso verso bíblico do início: “Quando vocês ficarem irados, não pequem; ao deitar-se reflitam nisso, e aquietem-se” (Salmos 4:4).

Neste primeiro momento, analise conosco a frase: “Quando vocês ficarem irados, não pequem”. O verso não diz “se vocês ficarem irados”, mas diz “quando”. Quando indica que, em algum momento, isso irá acontecer. No verso, este ensinamento está direcionado a pessoas que ainda não aprenderam a arte da paciência, e portanto, em determinadas circunstâncias, elas poderiam se irar. Logo, se não dominamos com maestria a arte da paciência, em algum momento iremos nos irar.

Agora, neste segundo momento, reflita que ficar irado não significa pecar. O problema não é ficar irado. O problema é o que você faz com sua ira. Se você se sente irado, age com ódio e faz algo de errado, então aí você pecou. Não é sobre aparecer o pensamento, mas sim o que você faz com ele depois. Contudo, não podemos parar de nos irarmos de uma hora para outra. Isso é um processo.

 

3. O que fazer então?

Vejamos agora a segunda frase: “Ao deitar-se reflitam nisso, e aquietem-se”. Refletir, analisar, raciocinar... O grande problema da ira é que ela suprime a razão e deixa reinar a emoção no lugar. Deixamos de pensar de maneira racional, multilateral, e passamos a pensar de maneira unilateral, irracional.

Ao nos irarmos com alguém, deixamos de ver todas as boas qualidades da pessoa, deixamos de pensar nos resultados e vemos apenas o momento (visão unilateral), vemos apenas a mágoa, vemos como única alternativa revidar a ofensa, fazer a pessoa pagar pelo que ela nos fez.

Deus nos manda refletir em nossa ira. Interessante é que o verso de Salmos 4:4 não fala apenas para refletirmos. Ele fala: “ao deitar-se reflitam nisso”. No momento da ira, não conseguimos pensar. As vezes, a única ação sã a ser tomada é se retirar. Depois, quando estamos mais calmos, que o cérebro deixou de lado sua visão unilateral, ou que pelo menos o Originador da ira não está mais nos provocando, é que então devemos refletir.

Mais uma vez não encontramos a palavra “se” nesta segunda frase. O verso termina com “aquietem-se”. Não há uma segunda opção, não fala “se necessário, aquietem-se”. Só está escrito “aquietem-se”. Deus sabe que, se pararmos para refletir, pensar, veremos que não há razão na ira.

 4. Conclusão

Praticando-se estes passos: parar, refletir, aquietar-se, você cultivará a paciência, até que chegará um momento em que, no instante da ira, você poderá raciocinar e se acalmar. Assim você saberá que está, pouco a pouco, adquirindo a qualidade da paciência.

Porém, se você agir de maneira errada após irar-se, não se desespere. Peça perdão a Deus, reflita, levante a cabeça e tente novamente. A cada vez que você realizar este processo, a próxima será ainda mais fácil.

 

Se as nossas dicas te ajudaram, compartilhe com seus amigos para que eles também possam aprender um pouco mais sobre a paciência!  

Tags: Paciência,