contato@conectadoscomdeus.net     

Blog

Sexo: uma benção que pode se tornar maldição

Categoria: Conectados com Deus

Como isso pode ocorrer? Continue a leitura!

“A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido. Da mesma forma, o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher” (1 Coríntios 7:4).

O sexo é um presente divino, é o auge do “e se tornarão uma só carne”, a maneira definida por Deus para que a raça humana se perpetuasse, além de elevar o casal a uma intimidade única, não atingível em nenhuma outra esfera de relação humana.

Nos tempos bíblicos, a partir do momento que uma pessoa alcançava a maturidade, o único que poderia ver a sua nudez era seu conjuge, sendo essa uma experiência restrita ao casal. Um exemplo disso é encontrado na história de Noé, onde Cão, ao ver seu pai nu, chama seus irmãos para o verem e, por isso, levou para sempre uma maldição sobre si e sua descendência (Gênesis 9:22 a 25).

Sabendo, então, que essa intimidade é restrita apenas aos cônjuges e que se trata da consumação de uma união matrimonial, é importante que o sexo seja um fator de benção no casamento. Se ele se torna uma maldição, todo o relacionamento sofrerá. Vamos então à grande pergunta: como o sexo pode se tornar uma maldição?

Releia o verso bíblico inical de 1 Coríntios. Conforme está escrito, de quem é a autoridade do próprio corpo? Do outro. E o que significa dar a autoridade do corpo ao outro? Entrega. O sexo tem a ver com uma entrega, não parcial, mas total, de um ao outro.

Quando então ele pode se tornar uma maldição? Quando não há uma entrega total. Quando o desejo próprio de um dos conjuges é levado acima do desejo do outro. Nesse contexto, surgem dois perigos: a sensualidade e a chantagem.

1. Sensualidade

O sexo passa a ser um momento, não de íntima comunhão, mas onde o marido ou a esposa usam o outro para realizar seus próprios desejos e fantasias sexuais. O prazer do cônjuge deixa de ser o alvo e ele se torna apenas o meio para se conseguir o próprio prazer.

Muitas vezes, um dos cônjuges faz uso de material pornográfico, entorpecendo assim sua mente e seus desejos. Seu olhar deixa de ser puro. Ele passa a olhar o outro como um brinquedo sexual e procura colocar em prática os desejos loucos e diabólicos implantados em sua mente.

2. Chantagem

É quando o sexo se torna objeto de chantagem de um dos lados, onde um realiza o desejo do outro apenas se conseguir o que quer. Esse jogo distorce a função do sexo, transformando-o em objeto de barganha e acabando, de vez, com a entrega completa de um ao outro.

O sexo deve ser baseado na regra áurea de Atos 20:35: “melhor é dar do que receber”. Quando os dois, marido e mulher, seguem essa regra, afirmada também no texto de 1 Coríntios 7:4, chegam sempre a um consenso. Não será necessária barganha para se conseguir algo, pois o objetivo de um será proporcionar prazer, intimidade e felicidade ao outro.

Conclusão

Apresentamos apenas 2 perigos que podem tornar a benção do sexo em maldição. Contudo, o ponto que queremos ressaltar é o seguinte: o sexo só se torna uma benção completa, quando Cristo é o centro do casamento. A submissão ao outro não é algo natural do ser humano. Precisa-se da operação divina para que ela aconteça perfeitamente. É no momento quando Cristo deixa de ser o centro do relacionamento e o eu toma o lugar, que esses perigos citados acima se aproximam e começam a operar. Quando Cristo é o centro, porém, o prazer passa a ser voltado para realizar o desejo um do outro.

 

É Cristo o centro do seu casamento? Tem você buscado prazer na felicidade do seu cônjuge?

Esperamos que as respostas sejam afirmativas. Se não forem, você tem agora a oportunidade de começar a tornar o sexo uma fonte de benção no seu casamento.